Vinícius rechaça e condena falsas acusações contra ele nas redes sociais

Onofre Garcia

Infelizmente em todas as campanhas políticas no Brasil há sempre uma avalanche de denúncias falsas, inverídicas contra principalmente quem está em 1º lugar nas pesquisas. Os ataques pessoais ainda são feitos com frequência, não contribuindo em nada com a eleição. Em Morrinhos não é diferente e recentemente quem foi alvo de ataques pessoais, rasteiros e falsos foi Vinícius, candidato a vice-prefeito da Coligação Avança Morrinhos, que tem Tiago como candidato a prefeito. Circularam nas redes sociais falsas denúncias feitas por uma trabalhadora rural de que Vinícius estava deixando todos com fome, atrasando o fornecimento de lanche e refeição, uma inverdade completamente sem sentido.

Em entrevista exclusiva ao site Vinícius rechaçou e condenou as falsas denúncias, ressaltando que por mais de 20 anos trabalha na produção de lavoura de alimentos e sempre soube do dever e responsabilidade para com os trabalhadores. Entende que o ataque não vai mudar a rotina da campanha, que vem tendo uma receptividade altamente positiva por parte da comunidade, fazendo acreditar na vitória em 15 de novembro. Vinícius reiterou que faz juntamente com Tiago uma campanha em cima da verdade, que com certeza irá prevalecer sobre o mal.

Para Vinícius houve má fé, maldade de pessoas de caráter duvidoso, tentando depreciar uma campanha de alto nível que já caiu no gosto popular. Lamentou o uso das baixarias no processo eleitoral e lembrou que é filho de Morrinhos, sempre teve uma convivência pacífica e respeitosa com todo mundo, além de trabalhar e gerar emprego e renda no município. Atribui essas maldades ao despreparo e preocupação de adversários com o sucesso da campanha e com o sentimento de mudança que vem tomando conta da população. Vinícius acrescentou que apesar dos ataques a campanha vai continuar sendo feita por meio do Plano de Governo e Gestão, estabelecido pela Coligação Avança Morrinhos.

Educação: Como Caiado fez Goiás assumir liderança do Ideb

Reforço nas aulas semanais de matemática e português, aprimoramento de ensino de filosofia, integração da rede pública e repasse de recursos públicos para que a própria unidade administre suas demandas ajudaram Goiás a assumir primeira colocação no país

O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) de Goiás tornou-se motivo de inveja para muitos estados e políticos: em setembro, as escolas goianas atingiram a maior nota do Ideb na avaliação do ensino médio, em todo o Brasil, com 4,8.
E Goiás, pela primeira vez, brilhou sozinho: tornou-se a única unidade a bater a meta individual estipulada para 2019. Os dados levaram em conta a matrícula de 7,5 milhões alunos em 28,8 mil escolas de todo o país.
Entender como Goiás abandonou uma era de educação feita com improvisos e insatisfações é o desafio dos pesquisadores em educação.
O Estado que foi palco de protestos de alunos secundaristas recentemente tem agora que explicar como conquistou o status de “melhor educação pública do país”. Até ser o Estado isolado em qualidade de educação, ao bater a meta estipulada pelo Governo Federal, Goiás era uma vergonha: espremia alunos em quatro turnos nas escolas estaduais e vendia a imagem de que todos os alunos estavam conectados, pois “todos” teriam recebido tablets e notebooks.
Ao dar adeus para esta realidade, a nova equipe de educadores buscou novidades. E uma delas foi a introdução de mais aulas de matemática e português na grade curricular.
O governador Ronaldo Caiado (DEM) elenca outras ações que ajudou Goiás a liderar a educação do país: maior acompanhamento pedagógico dos alunos, fortalecimento das escolas em tempo integral, integração da rede pública, recursos públicos para que a própria unidade administre e parcerias com a iniciativa privada. Caiado afirma que parcerias têm dado certo, como o programa “Jovem de Futuro” e “Circuito de Gestão”.
O governador afirma que o engajamento dos professores e da secretária Fátima Gavioli, bem como de sua equipe, surpreendeu: “Um dos principais fatores para alavancarmos o ensino médio goiano está relacionado ao engajamento e envolvimento dos professores, que não mediram esforços para que seus alunos pudessem aprender de forma significativa. Reconhecemos o comprometimento dos demais profissionais da educação. Todos foram essenciais nesse processo”.
Outro fator citado por técnicos da Secretaria de Educação (Seduc) que ajudou a Goiás dar um salto foi o robusto investimento na área, principalmente para melhorar o ambiente escolar. Ao assumir, Caiado pegou da gestão anterior escolas em frangalhos, principalmente as mais históricas.
Conforme a gestão, nenhuma escola da rede pública estadual, composta por 1.029 unidades educacionais, deixou de receber recursos para reformas e ampliações, aquisição de equipamentos para laboratórios de ciências e informática, substituição de mobiliário, construção de quadras poliesportivas cobertas e refeitórios, entre outras iniciativas.

INVESTIMENTOS

Fátima Gavioli diz que o Ideb é fruto de um crescendo de ações. E a primeira delas ocorreu quando uma das primeiras missões dadas por Caiado (DEM) foi “garantir que todas as escolas estaduais recebam melhoria na infraestrutura”.
Os investimentos passaram dos R$ 114 milhões e beneficiaram 530 mil alunos. Apenas em 2020, Goiás destinou R$ 85 milhões para reformas médias e ampliações. Atendeu 221 unidades através do Programa Dinheiro Direto na Escola (PPDE).
“Mais do que zelar pela estrutura física da rede de ensino, o Governo de Goiás tem se preocupado em garantir igualdade entre os alunos no ambiente escolar. Por isso, este ano distribuiu 1 milhão de conjuntos de uniformes escolares, que foram adquiridos a R$ 25,6 milhões”, diz.